Deputados federais do PT representam contra o Corregedor Nacional de Justiça. Ministro contesta

Resolução n. 305/2019 do CNJ dispõe, em seu artigo 3º, II, “b” e “e”, que o magistrado, no uso das redes sociais, deve “evitar manifestações que busquem autopromoção ou superexposição”.

Ir ao Topo