Com aumento da violência contra a imprensa, parlamentares buscam ampliar proteção aos profissionais de comunicação

Em 2020, de acordo com o ranking internacional do Repórteres sem Fronteiras (RSF), o Brasil caiu quatro posições em um, entrando para a "zona vermelha" em termos de liberdade de imprensa e agora aparece na 111ª posição, entre 180 países avaliados.

Por |2021-05-03T16:10:37-03:003 de maio de 2021|Tags: , , , |

Brasil entra na Zona Vermelha do Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa

O Brasil ocupa a 111º colocação no Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa 2021, segundo relatório divulgado nesta última terça-feira (20) pela organização não governamental Repórteres sem Fronteiras (RSF). A lista reúne 180 países e territórios.

A responsabilidade dos jornais por acusações duvidosas feitas por entrevistados

O caso começou em 1993, quando o Diário de Pernambuco publicou entrevista com Wandenkolk Wanderley, delegado da polícia pernambucana à época da ditadura militar e que posteriormente virou político, afirmando que Ricardo Zarattini — que foi deputado federal, já falecido, pelo PT paulista — participou do atentado a bomba no aeroporto dos Guararapes, de Recife, em 1966.

Personalidades do mundo jurídico brasileiro repelem agressões a jornalistas

Alexandre de Moraes lamentou o fato de grandes veículos de comunicação — como os do Grupo Globo e a Folha de São Paulo — terem retirado seus jornalistas das entrevistas do presidente Jair Bolsonaro à porta do Palácio do Planalto por falta de segurança.

Pela defesa das liberdades de imprensa e de expressão, ministro Celso de Mello é homenageado pela ANJ

O ministro Celso de Mello foi escolhido, em decisão unânime da diretoria da Associação Nacional de Jornais (ANJ), para receber o Prêmio ANJ de Liberdade de Imprensa 2019, como reconhecimento por sua defesa permanente da imprensa livre ao longo de sua trajetória de 30 anos como ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Presidente da Fenaj reclama de violências e restrições à atividade jornalística

A presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Maria José Braga, apresentou nesta segunda-feira (1) ao Conselho de Comunicação Social (CCS) do Senado um relatório tratando de situações que, segundo a entidade, caracterizam ataques e restrições ao exercício da atividade jornalística.

Por |2019-07-01T20:03:15-03:001 de julho de 2019|Tags: , , , |
Ir ao Topo