Briga do Interior levado para a Assembleia. Deputado afirma ter sido ameaçado por assessor de adversária - Blog Edison Silva

Briga do Interior levado para a Assembleia. Deputado afirma ter sido ameaçado por assessor de adversária

Deputado Leonardo Araújo fez graves acusações na tribuna da Assembleia Legislativa. Foto: Marcelo Bloc/Blog do Edison Silva.

O clima calmo e o plenário esvaziado das sextas-feiras foi abalado pelo pronunciamento do deputado Leonardo Araújo (MDB) nesta manhã. Durante o primeiro expediente da sessão plenária desta sexta-feira (14), ele afirmou que teria recebido ameaças e ofensas de um assessor parlamentar lotado na Assembleia. O fato teria sido motivado pelo pronunciamento de Leonardo, na última quarta-feira (12).

“Eu fui surpreendido e agredido por essa pessoa, não mais por fake news, mas agora por mensagem de celular, com palavras baixas, grosseiras, irrepetíveis. Ele, que está lotado no gabinete da deputada Patrícia Aguiar (PSD), é responsável por espalhar notícias mentirosas e irresponsáveis sobre mim na região dos Inhamuns”, denunciou, afirmando tudo ter sido ‘patrocinado e orquestrado pelo ex-deputado Domingos Filho e a esposa, a deputada Patrícia’.

Leonardo Araújo adiantou que já registrou em cartório cópias das mensagens, entrará com uma representação na Ordem dos Advogados do Brasil, secção Ceará (OAB/CE), e também vai solicitar um posicionamento da Mesa Diretora da Casa. “Este cidadão está lotado nesta Casa, onde sou representante do povo, eleito pelo povo. Esse ataque não é só a mim, mas ao Parlamento. Até porque essas ofensas foram motivadas por atividades do meu mandato. Eu estou correndo risco de vida por não me calar, mas é papel desta Casa manter a integridade deste parlamentar”, afirmou, ressaltando não ter medo de Domingos Filho.

O deputado informou também que o suposto funcionário responde a processos por agressão e por envolvimento em vazamento de imagens pessoais de outra servidora da Assembleia.

O parlamentar leu o conteúdo das mensagens, inclusive os xingamentos que anteriormente disse serem irrepetíveis. Afirmou conhecer o agressor, que teria lhe dito que, ao encontrá-lo recentemente em um restaurante de Fortaleza, teria tido vontade de quebrar uma garrafa em sua cabeça. Segundo o deputado, não havia afirmado o nome do agressor, que acabou por admitir a autoria durante as mensagens.

Leonardo Araújo afirmou que nos pronunciamentos em nenhum momento partiu para o cunho pessoal. “O que falei é que, entre tantas outras coisas, Domingos Filho quer destruir o MDB ao sugerir a mudança de partido a alguns prefeitos cearenses, tentando levá-los para o PSD. Minha missão é denunciar qualquer irregularidade política ou social que esteja acontecendo no nosso Estado”, pontuou. Por fim, o deputado acusou a família Aguiar de espalhar notícias falsas a seu respeito, dizendo que ele trabalhou nos bastidores pela cassação dos mandatos de Genecias e Aderlânia Noronha.

Apartes demorados

A deputada Dra. Silvana (PL), em aparte, solidarizou-se com Leonardo Araújo por já ter sofrido com notícias falsas. “Um funcionário que ataca uma mulher deve ser exonerado. Vou procurar o presidente Sarto para que garanta a segurança de todos nós”, disse.

O deputado Audic Mota (PSB) afirmou que o pronunciamento de Leonardo Araújo é “forte” e que a AL deve tomar providências. “Se uma pessoa diz que vai quebrar uma garrafa em sua cabeça, em um lugar público, ela é capaz de tudo. Isso é ameaça de morte. Essa Casa deve tomar as medidas cabíveis para garantir a segurança do parlamentar e todos nós que temos esse papel, seja esse servidor lotado onde for”, afirmou.

Audic sugeriu que a Assembleia crie uma comissão especial para apurar o caso. “Nenhum deputado pode ser ameaçado, atacado, desrespeitado em suas prerrogativas. Seus embates são travados na tribuna e o deputado Leonardo Araújo assim o faz, trazendo a denúncia de forma direta, corajosa, abrindo, inclusive, sua comunicação privada”, concluiu Audic, afirmando que a Casa deve receber um pedido de providências em nome do PSB.

Direito de resposta

Durante o pronunciamento de Leonardo Araújo, a deputada Patrícia fazia anotações para seu tempo de direito de resposta. Foto: Blog do Edison Silva.

Na sequência, a deputada Patrícia Aguiar (PSD), que chegou já no final do pronunciamento de Leonardo Araújo, teve concedido um pedido de direito de resposta pelo vice-presidente da Casa, Fernando Santana (PT), que comandava a sessão. A parlamentar afirmou que vem recebendo agressões em seu nome e de sua família. “Tenho muito orgulho de ser esposa de Domingos Filho e mãe do deputado federal Domingos Neto. Tenho procurado manter a cautela e não responder aos ataques, pela maturidade que a vida já me deu”, disse.

Ela afirmou que tem passado constrangimentos como mulher e mãe. “Acho que esse lado pessoal deveria ser preservado”, avaliou. A deputada negou que o funcionário citado seja lotado em seu gabinete, afirmando não patrocinar esse tipo de atitude relatada. Disse ainda também receber ataques de funcionários lotados na Casa e pediu respeito. Diariamente esse tipo de ataque existe e, infelizmente, nós deputados, não temos controle das atitudes de outras pessoas. Daqui para frente, eu peço respeito a mim, ao meu filho e a minha família nesta Casa. Que não exponham mais nosso nome para esse tipo situação”, concluiu.

Investigação

Durante pronunciamento, logo em seguida ao ocorrido, a deputada Augusta Brito (PCdoB) também comentou o atrito entre os deputados. Ela afirmou que a Procuradoria da Mulher vai protocolar a abertura de inquérito para investigar a conduta do funcionário citado por Leonardo Araújo e as acusações de chantagem a uma funcionária da Casa.

Deixe uma resposta