Dra. Silvana acredita que cearenses sairão melhores pós-pandemia do coronavírus - Blog Edison Silva

Dra. Silvana acredita que cearenses sairão melhores pós-pandemia do coronavírus

A deputada exerce o segundo mandato na Assembleia Legislativa. Seu esposo, Jaziel Pereira, é deputado federal. Foto: Reprodução.

Os deputados, que atuam como médicos e estão na Assembleia Legislativa do Ceará (ALECE), passam pela mesma situação: impedidos de usarem seus consultórios durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus (COVID-19) que assola o Brasil.

A deputada estadual e médica dermatologista Silvana Oliveira (PL), conhecida como Dra. Silvana, vive essa angústia. Em entrevista concedida ao Blog do Edison Silva, ela declarou que os meses pandêmicos lhe deixaram “sufocada”.

Confira alguns temas abordados na entrevista:

Assembleia Legislativa/COVID-19

Dra. Silvana afirmou que sente-se “tolhida” por se limitar às reuniões virtuais na Assembleia e por não estar atuando na Comissão de Saúde da Casa, a qual preside. “Não há uma interação presencial. Pra mim, esta interação é uma grande fatia do Parlamento”, disse.

Outro ponto que lhe deixa em conflito é a instauração da “CPI das Fake News. “Parece tudo um pesadelo. Eu sou contra as fake news, mas sou favorável à liberdade de expressão, de pensamento. Sou a favor das coisas que se constroem aos poucos, ao mesmo tempo sem tolher. Então, eu me sinto, como dito na Bíblia, vivendo ‘tempos difíceis”, concluiu.

A deputada ressaltou a importância do SUS (Sistema Único de Saúde) na luta contra o coronavírus e critica a falta de uma ampliação na assistência às pessoas. “Nunca ninguém esteve preocupado, realmente, em prestar uma assistência a muitas pessoas ao mesmo tempo”, criticou a médica.

Religião

Silvana é também um dos símbolos da representação evangélica na Assembleia cearense. Para ela, as igrejas foram vistas como “vilãs” da pandemia do coronavírus. “Eu luto pelas igrejas, sejam elas evangélicas ou católicas. Elas foram, de forma preconceituosa, os vilões da história. Nunca um pastor ou padre vai aglomerar num período de pandemia. A minha defesa é que o Estado não pode intervir quando uma igreja pode ou não ficar aberta. A Constituição [de 1988] assegura isto”, apontou.

Ademais, ela acredita que a igreja sairá mais fortalecida após a pandemia da COVID-19.

Mudanças pós-pandemia

Frisando o espírito da “caridade”, Dra. Silvana crê em mudanças nas pessoas pós-pandemia. “Eu entendo que as pessoas vão sair melhores, muito melhores, mais humanas. Você vê que o espírito da caridade despertou mais. Você vê pessoas mais caridosas nos sinais, doando cestas [básicas]. Então, vamos sair muito melhores”, finalizou.

Veja a entrevista que a deputada Dra. Silvana (PL) concedeu ao jornalista Edison Silva:

Deixe uma resposta