Turismo: Yagon - Uma festa para os olhos - Blog Edison Silva

Turismo: Yagon – Uma festa para os olhos

Yagon – Uma festa para os olhos

Por A. Capibaribe Neto – Foi passando uma vista d’olhos sobre o mapa da Ásia, que encontrei um país chamado Miyanmar, um lugar pouco conhecido, principalmente por brasileiros. Talvez tenham sido as fotos que encontrei na internet que tenham despertado um interesse instantâneo pelo lugares que a pesquisa mostrava depois de perguntar “o que visitar em Miyanmar? Haviam dezenas de boas e incríveis respostas. Fotos bonitas e inspiradoras de Myanmar é o que não faltam. Myanmar, Mianmar, Burma ou Birmânia é um grande país no sul da Ásia, que faz fronteira com a China (Tibet), Índia, Tailândia, Bangladesh e Laos. Misteriosa terra dourada, rica em pedras preciosas, além de ser terra natal de grandes artesãos.

Yangon ou, em português, Rangum é a maior cidade de Mianmar, antiga capital. Seu nome é formado por duas palavras: yan, que significa inimigos, e koun, que significa livrar-se de, fugir de – “cidade sem inimigos”. Hoje com cerca de 4,5 milhões de habitantes, Yangon, com seus mais de 5 milhões e duzentos mil,habitantes, está localizada próxima ao rio Yangon, foi a minha porta de entrada. Yangon ou, em português, Rangun, é maior cidade de Miyanmar (ou Birmânia), antiga capital. Seu nome é formado por duas palavras: yan, que significa inimigos, e koun, que significa livrar-se de, fugir de – “cidade sem inimigos” e é considerada o maior importador de Myanmar e também é o maior lugar em volume de negócios comerciais e industriais. Tem arroz, petróleo, algodão, minérios e metais, há moinhos de arroz, serrarias, refinarias de petr&oacu te;leo e aço, ferro, e cobre.
UM POUCO DE HISTÓRIA

Yangon foi fundada com o nome de Dagon, provavelmente no século VI, pelos Mon, que na época ocupavam a Baixa Birmânia. Dagon era uma pequena vila de pescadores localizada em volta dum pagode que se tornou o centro de peregrinação o mais importante da Birmânia: o Pagode Shwedagon (ouro de Dagon, antigo nome de Rangum). No princípio do século XVII aínda é apenas uma aldeia perto do Pagode (que hoje se encontra a 2 quilômetros do centro da cidade), a cidade principal estando em frente, do outro lado do rio: Sirião. Portanto, a partir da tomada de Sirião aos portugueses de Filipe de Brito, em 1613, Rangum cresce, até se tornar capital do país em 1753 pelo rei Alaungpaya, que lhe dá este último nome. Foi ocupada pelos britânicos durante a Primeira Guerra anglo-birmanesa (1824 – 1826) e entre 1852 e 1948.

A Rangum colonial, com seus parques espaçosos, lagos, e uma mistura de edifícios modernos e de arquitetura de madeira tradicional, era conhecida como “A cidade jardim do Oriente.” No início do século XX, Rangum tinha serviços públicos e infraestrutura na paridade com Londres. Antes da Segunda Guerra Mundial, quase metade da população de Rangum era composta por nativos do sul da Ásia. Logo após a independência da Birmânia, em 1948, muitos nomes coloniais de ruas e parques foram alterados para nomes mais nacionalistas de Myanmar. Foi fundada, com o nome de Dagon, provavelmente no século VI, pelos Mon, que na época ocupavam a Baixa Birmânia.
Dagon era uma pequena vila de pescadores localizada em volta dum pagode que se tornou o centro de peregrinação o mais importante da Birmânia: o Pagode Shwedagon (ouro de Dagon, antigo nome de Rangum). No princípio do século XVII aínda é apenas uma aldeia perto do Pagode (que hoje se encontra a 2 quilômetros do centro da cidade), a cidade principal estando em frente, do outro lado do rio: Sirião. Portanto, a partir da tomada de Sirião aos portugueses de Filipe de Brito, em 1613, Rangum cresce, até se tornar capital do país em 1753 pelo rei Alaungpaya, que lhe dá este último nome.

Foi ocupada pelos britânicos durante a Primeira Guerra anglo-birmanesa (1824 – 1826) e entre 1852 e 1948. A Rangum colonial, com seus parques espaçosos, lagos, e uma mistura de edifícios modernos e de arquitetura de madeira tradicional, era conhecida como “A cidade jardim do Oriente.” No início do século XX, Rangum tinha serviços públicos e infraestrutura na paridade com Londres. Antes da Segunda Guerra Mundial, quase metade da população de Rangum era composta por nativos do sul da Ásia. Logo após a independência da Birmânia, em 1948, muitos nomes coloniais de ruas e parques foram alterados para nomes mais nacionalistas de Myanmar. Em 1989, o nome da cidade foi mudado para “Yangon”.

A Universidade de Yangon foi fundada em 1920 e reorganizada em 1948 e, novamente, em 1964, quando se tornou a Universidade de Artes e Ciências.A cidade foi destruída por um incêndio em 1841, foi severamente danificada por um terremoto e tsunami em 1930, e novamente durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1989, a junta militar de Mianmar anunciou que o nome da cidade passaria a ser Yangon. Como parte da comunidade internacional não reconhece a legitimidade do atual governo de Mianmar, alguns países ainda empregam a forma Rangum (ou uma variante vernácula: Rangoon, Rangoun ou outra) para referir-se à cidade. Em 2005, a junta militar que governa o país transferiu a capital para Naypyidaw.

Texto e Fotos: A. Capibaribe Neto.

Deixe uma resposta