Os governistas PPCell e Paulo Martins, e os oposicionistas Bruno Mesquita e Léo Couto. Foto: CMFor

A oposição ao prefeito Sarto,formada por aliados do governador Elmano de Freitas, se reuniu, na manhã desta terça-feira (18), para tecer diversas críticas à gestão da Prefeitura de Fortaleza. Em resposta, aliados do chefe do Poder Executivo Municipal revidaram e também cobraram ações do Governo do Estado.

Durante todo o ano tem sido assim na Casa Legislativa. Enquanto que opositores do prefeito enaltecem o Governo do Estado, o inverso também foi uma constante. Em pronunciamento na tribuna do Plenário Fausto Arruda, o vereador Léo Couto (PSB), um dos principais aliados de Elmano no Legislativo da Capital cearense, fez críticas a diversas políticas da Prefeitura, que em sua avaliação estão sucateadas.

Ele também reclamou da demora do Governo Municipal em adotar políticas públicas nos últimos três anos e iniciar uma série de obras somente no último ano do primeiro mandato do prefeito, em ano eleitoral. “Depois de três anos sem fazer nada, no último ano ele começa a lançar pacotes. O prefeito lança o projeto ‘Chega Junto’. E nos três aos para trás, como era? Era o chega pra lá?”, ironizou.

Na avaliação dele, o Governo Municipal tem realizado “uma maquiagem” na maioria dos bairros de Fortaleza. “O prefeito tem tanto azar, que deu uma chuva na semana passada e um carro foi engolido numa via que tinha acabado de ser concluída. Quem vai cobrir os prejuízos que ocorrem em obras da nossa cidade?”, questionou.

Outra que aproveitou para fazer críticas à gestão Sarto foi a vereadora Estrela Barros (PSD). Ela pontuou, principalmente, a questão da saúde, como falta de medicamentos, de profissionais e equipamentos danificados. “A cada dia que passa a saúde se encontra em uma situação pior. E a gente só vê falácias da Prefeitura”, disparou.

Bruno Mesquita (PSD), por sua vez, fez crítica à instalação de uma ciclofaixa em bairro que, segundo ele, tem prejudicado tanto ciclistas quanto motoristas em geral. Segundo ele, o secretário Samuel Dias “não tem palavra de nada. É sem postura, sem palavra, sem simpatica, sem compromisso com o fortalezense”.

Vice-líder do Governo na Casa, PPCell (PDT), afirmou que a oposição insinua que há “coisa errada com a gestão” do prefeito Sarto. “O prefeito é um homem digno, honesto e nunca se meteu em esquema de corrupção”, disse. Segundo ele, “dizer que o prefeito Sarto não tem feito nada pela saúde chega a ser leviano”.

Fortaleza

Ele apontou que há previsão de construção de 16 novos postos de saúde em Fortaleza, 15 reformados, requalificação de outros nove, além da reestruturação de UPAs. Ainda de acordo com PPCell, a saúde também é uma demanda do Governo do Estado e Governo Federal. “Temos que cobrar do Estado também”, disse.

Paulo Martins (PDT), por sua vez, disse que para além do que está sendo feito pela Prefeitura de Fortaleza na área da Saúde, é preciso debater a Segurança Pública. “A Segurança é o principal problema que estamos enfrentando.Às vezes até inviabiliza a saúde. O governador disse que nessa nova fase o bandido vai ser tratado como bandido e a gente tem que esquecer a velha fase. É por isso que a gente vê essa frouxidão”, apontou.