Apelo de Bolsonaro aos caminhoneiros para não paralisarem as atividades - Blog Edison Silva

Apelo de Bolsonaro aos caminhoneiros para não paralisarem as atividades

Presidente da República participou de reunião no Ministério da Economia acompanhado de Paulo Guedes e do senador Flávio Bolsonaro. Foto: Ministério da Economia.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), nesta quarta-feira (27), pediu a caminhoneiros para que não façam greve. “Reconhecemos o valor dos caminhoneiros para a economia do Brasil. Apelamos para eles que não façam greve porque todos nós vamos perder, todos, sem exceção. Agora, a solução não é fácil, estamos buscando uma maneira de não ter mais este reajuste”, declarou depois de uma reunião no Ministério da Economia.

Na última terça-feira (26), a Petrobras reajustou o preço médio do diesel nas refinarias em 4,4% e há especulações sobre uma greve de caminhoneiros que aconteceria na próxima segunda-feira (01/02). “A Petrobras segue uma planilha, tem a ver com preço do petróleo lá fora, tem a ver com variação do dólar. Ontem foi boa notícia, o dólar baixou R$ 0,20. Estamos estudando medidas, agora, não tenho como dar uma resposta de como diminuir impacto, que, na verdade, foram nove centavos no preço do diesel”, disse o presidente, ressaltando que não interfere na política de preços da empresa estatal.

De acordo com Bolsonaro, está em estudo a diminuição do PIS (Programa de Integração Social) e da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), impostos federais que incidem sobre os combustíveis. O impacto da renúncia aos cofres da União, segundo ele, é de R$ 800 milhões por cada centavo reduzido. Para Bolsonaro, é importante que os governadores também reduzam o ICMS, imposto estadual.

“Para cada centavo do preço do diesel, aproveitando nós queremos diminuir no caso PIS/Cofins, equivale a buscarmos em outro local R$ 800 milhões. Então, não é uma conta fácil de ser feita. Agora, o diesel está num preço razoável nas refinarias, mas até sair da refinaria e chegar na bomba de combustível tem ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços], imposto que é o mais caro que tem sobre o combustível no Brasil, tem a margem de lucro, tem transportadores, tem muito monopólio no meio disso. Estamos buscando alternativas mas não são fáceis”, afirmou.

Com informações da Agência Brasil.

Deixe uma resposta