Deputada denuncia "máfia da ortopedia" na rede pública de Saúde: médicos desviam pacientes do SUS para colegas da rede privada - Blog Edison Silva

Deputada denuncia “máfia da ortopedia” na rede pública de Saúde: médicos desviam pacientes do SUS para colegas da rede privada

A denúncia é da Dra. Silvana Oliveira (PL) que promete requerer uma CPI. Foto: ALECE.

A deputada Dra. Silvana (PL) afirmou, durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa realizada nesta quinta-feira (10), que vai requerer uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a “máfia da ortopedia” no Ceará. Segundo ela, profissionais médicos da rede pública estariam cooptando pacientes esperando na fila por cirurgia e levando para “colegas” da rede privada e cobrando altos valores.

A parlamentar, que preside a Comissão de Seguridade Social e Saúde da Casa, comentou o caso envolvendo um rapaz de 20 anos do município de Tianguá, que foi atropelado por um caminhão e precisa fazer uma cirurgia no braço.

Segundo Silvana, a primeira parte do procedimento foi realizada de forma eficaz pela rede pública, e o paciente agora aguarda transferência para o Instituto José Frota (IJF), em Fortaleza, para finalizar a cirurgia.

“O rapaz foi procurado por um médico que disse que ele poderia esperar mais de um ano nessa fila e propôs que, por um valor entre R$ 21 mil e R$ 30 mil, um ‘colega’ realizaria o procedimento, pela rede privada, em Sobral. O médico informou que a cirurgia era urgente e que deveria ser realizada no prazo de 15 dias”, contou.

Dra. Silvana questionou a postura desses profissionais que cooptam pacientes nos corredores do Sistema Único de Saúde (SUS) e propôs uma investigação para descobrir, entre outras coisas, quem são eles e os motivos que levam os pacientes a serem atraídos para esses esquemas.

A deputada lembrou que essa “máfia da ortopedia” não é algo novo e que o Ceará já foi palco de escândalo envolvendo o desvio de R$ 1,8 milhão. “Falta fiscalização efetiva e cadeia para esses infratores. Minha proposta é que, com essa comissão, possamos chegar ao fundo dessa questão. É inadmissível pressionar a população a pagar por uma coisa caríssima que é custeada pelo Estado”, criticou. Ela disse que tentará conseguir com os colegas da Assembleia as assinaturas necessárias para protocolar o pedido de abertura da CPI.

Comissão

Em aparte, o deputado Carlos Felipe (PCdoB), que também é médico, afirmou que a denúncia trazida pela colega é grave. O parlamentar sugeriu que a CPI poderia ser uma comissão especial, ou comitê, nos moldes do Comitê Cearense de Prevenção de Homicídios na Adolescência, formado por parlamentares e representantes de entidades da saúde, sejam civis, do Estado ou município. “Poderíamos realizar estudos e chegar aos gargalos que impedem ou atrasam as cirurgias, assim como chegar até esses profissionais e ir além, atuando de forma propositiva no sentido de engajar parlamentares e até o Estado na melhoria desse serviço e na punição dos infratores”, observou.

Deixe uma resposta