Para AGU, impedir expulsão de diplomatas venezuelanos é "interferência indevida do Poder Judiciário" - Blog Edison Silva

Para AGU, impedir expulsão de diplomatas venezuelanos é “interferência indevida do Poder Judiciário”

Advocacia Geral da União m15anifesta-se a favor da expulsão dos representantes do Governo de Nicolás Maduro. Foto: AGU.

A Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu nesta sexta-feira (08) a cassação da liminar proferida pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu a expulsão de 34 diplomatas venezuelanos do Brasil. Os representantes do regime de Nicolás Maduro teriam de deixar o país no dia 2 de maio, sob pena de serem declarados personae non gratae (pessoas indesejadas, que não são bem-vindas) pelo governo brasileiro.

Na semana passada, Barroso concedeu liminar pedida pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS) para suspender a ordem por 10 dias, até que o presidente Jair Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, prestem esclarecimentos sobre os motivos da expulsão.

Na manifestação enviada ao Supremo, a AGU defendeu que compete ao presidente da República, por atribuição constitucional, decidir sobre as relações internacionais do país.

“Admitir posicionamento contrário seria permitir uma indevida interferência do Poder Judiciário no exercício de uma competência privativa do presidente da República, caracterizando nítida ofensa ao princípio da separação de Poderes”, argumenta a AGU.

O governo brasileiro não reconhece o regime de Nicolás Maduro e considera o líder oposicionista Juán Guaidó como presidente da Venezuela, assim como considera a advogada María Teresa Belandria como a embaixadora do país vizinho no Brasil.

Em março, o Ministério das Relações Exteriores retirou diplomatas e funcionários da embaixada e dos consulados do Brasil na Venezuela.

Fonte: Agência Brasil.

Deixe uma resposta