Vereadores de Fortaleza ficaram sem opção de partido até o último momento. Representatividade muda na CMFor - Blog Edison Silva

Vereadores de Fortaleza ficaram sem opção de partido até o último momento. Representatividade muda na CMFor

Dança das cadeiras durou até o último momento nesta sexta-feira (03). Foto: CMFor

Pelo menos uma dezena de vereadores ficou sem opção de filiação até o último momento da chamada “janela partidária”, que se encerrou nesta sexta-feira, 03 de abril, de acordo com o calendário eleitoral para o pleito deste ano. Mudanças de última hora aconteceram, o que resultou em descontentamento e críticas por parte de filiados de algumas agremiações. Com todos os parlamentares, mais ou menos, acomodados, o quadro geral de representatividade na Câmara Municipal de Fortaleza teve uma alteração considerável.

Ao menos sete partidos políticos vão ficar sem representantes no Legislativo da Capital, enquanto outros se fortaleceram com o ingresso de vereadores que tentarão a reeleição em outubro próximo. Perderam representatividade o PRTB, que havia eleito quatro parlamentares em 2016; o PTC que tinha duas vereadoras; o DC; PATRIOTAS; PRP que também possuía dois vereadores em seus quadros; o PODEMOS e o Republicanos.

PDT, PSD, PP e PSB foram as legendas que mais se fortaleceram no processo de “dança das cadeiras” do Legislativo Municipal de Fortaleza. A sigla pedetista passou a contar com 16 parlamentares, com o ingresso de Paulo Martins (ex-PRTB), Carlos Mesquita (que era do PROS), Evaldo Costa (egresso do Republicanos), Eron Moreira (que deixou o PP), Dr. Porto e Raimundo Filho, ambos desfiliados do PRTB.

Porto obteve pouco mais de 5 mil votos, mas ainda assim recebeu garantia do prefeito Roberto Cláudio de que poderia alcançar quantidade de votos suficientes para ser eleito em outubro. “Eu sou lutador, brigador”, disse. Já Raimundo Filho foi eleito com 5.079 sufrágios. Os dois têm menos chances de êxito na sigla pedetista que tem linha de corte de 8 mil votos. A ida da dupla para o PDT se deu no fim da tarde desta sexta-feira (03).

 

 

Frota Cavalcante só soube da confirmação de sua filiação ao PSD no início da noite. Foto: CMFor.

O Progresssitas, por sua vez, atraiu para si Benigno Júnior (que era do PSD), “Bá” (ex-PTC), e Emanuel Acrízio (que saiu do PRP).

O presidente estadual do PSD, Domingos Filho, esteve dialogando com alguns vereadores até o fim do dia. Estavam na lista de eventuais ingressos no partido o vereador Idalmir Feitosa, até então do PL, e Frota Cavalcante que havia deixado os quadros do PODEMOS. No meio da tarde, Frota ainda reclamava que, naquele momento, ainda continuava sem filiação partidária.

Filiação

“Eu defini que iria para lá (PSD), só não sei se o partido vai me aceitar. Imagine o cabra que faz vestibular e não tem gabarito para se nortear. É a mesma expectativa que estou sentido. O vereador de mandato está parecendo esse vírus (corona). Isso tira a vida da gente”, reclamou o parlamentar. Frota tentou ingresso no MDB, partido presidido pelo seu irmão, o deputado estadual Walter Cavalcante, mas disse que lá não teve espaço.

Outro que se filiou ao PSD foi José Freire, egresso do Patriotas. O vereador Márcio Cruz resolveu permanecer no PSD, totalizando assim quatro integrantes na sigla. O parlamentar disse ao Blog que entrará na justiça caso não seja aceito como candidato. A tendência, porém, é que sua esposa, Ana Paula, filiada ao PDT, seja a postulante de seu grupo político. Domingos Filho informou que não há empecilho para candidatura de Cruz.

Apesar de ter perdido Idalmir Feitosa, o PL ganhou Dummar Ribeiro, que havia deixado o Cidadania no mês passado. Junto com a vereadora Marta Gonçalves, o partido segue com dois quadros na Casa.

O Democratas (DEM), que não elegeu ninguém em 2016, passa a ser representado pela vereadora Cláudia Gomes (ex-PTC), esposa do ex-vereador Marcílio Gomes, presidente da sigla em Fortaleza. O PSC conta, agora, com a filiação de Priscila Costa, que também deixou o PRTB.

Líder do Governo, Esio Feitosa deixou o PDT e ingressou no PSB. Foto: CMFor.

 

Desconforto

Outra sigla que se fortaleceu foi o PSB, que até então estava sem representante na Câmara Municipal de Fortaleza. A legenda já havia negociado entrada da vereadora Marília do Posto, que era do PRP, mas na noite da última quinta-feira (02), a direção do partido decidiu aceitar ingresso do líder do Governo na Câmara, o vereador Esio Feitosa, que no ano passado, com o fim do PPL, havia se filiado ao PDT.

A ida de Feitosa para a agremiação gerou desconforto entre muitos que já estavam filiados ao grêmio, visto que temem ser prejudicados por uma eventual votação expressiva do parlamentar, já que ele também tem o apoio do prefeito Roberto Cláudio. O ex-pedetista e agora pessebista, afirmou que está contente com a nova casa, um partido de centro-esquerda com potencial no legislativo de Fortaleza.

 

 

E+

Partidos que se fortaleceram
PDT
PSD
PP
PSDB
DEM
PSC
PSB

Sem alterações na quantidade de vereadores

PL
PT
PROS
SD
PSL
PCdoB
MDB
Cidadania
MDB

Deixaram de ter representatividade na Casa
PRTB
PRP
DC
PODEMOS
PATRIOTAS
REPUBLICANOS
PTC

Um comentário sobre “Vereadores de Fortaleza ficaram sem opção de partido até o último momento. Representatividade muda na CMFor

  1. Sua coluna é muito boa, mas por que não fala no partido Solidariedade? Como é que cita todos e exclui um partido que tem inclusive um vereador com mandato, e teve 7877 votos em 2016.
    E NÃO É A PRIMEIRA VEZ QUE OBSERVO.

Deixe uma resposta