Seminário do Conselho Nacional de Justiça discute os desafios dos juízes do futuro - Blog Edison Silva

Seminário do Conselho Nacional de Justiça discute os desafios dos juízes do futuro

 

Os desafios e perspectivas dos magistrados brasileiros no futuro. Pesquisas nortearão os debates. Foto: Gil Ferreira/AG. CNJ

Desafios e oportunidades para os magistrados no futuro serão o tema central do seminário que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoverá no próximo dia 5/11, em Brasília. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Dias Toffoli, participará da mesa de abertura do evento, às 9 horas, ao lado do corregedor Nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, e do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ministro Luiz Felipe Salomão.

A programação inclui a apresentação de uma pesquisa realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) em 2018 sobre o perfil da magistratura. Cerca de 4 mil juízes responderam a um extenso questionário que continha perguntas sobre a vida e a atividade profissional dos pesquisados. Eles foram indagados sobre suas percepções a respeito de qualidade de vida, saúde e trabalho, mas também sobre a atuação no dia a dia, formação acadêmica e perfil socioeconômico.

Às 9h15, o presidente da AMB, juiz Jayme de Oliveira, fará uma apresentação da pesquisa, que será novamente abordada às 9h45, com a presença dos autores do estudo. Os sociólogos e professores da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ) Luiz Werneck Vianna, Maria Alice Rezende de Carvalho e Marcelo Baumann Burgos analisarão os principais resultados do levantamento em uma mesa coordenada pelos ministros do STJ Antonio Saldanha e Marco Aurélio Belizze.

Em seguida, um debate reunirá representantes das demais associações da magistratura. Além do presidente da AMB, estarão presentes à mesa o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), juiz Fernando Mendes, a presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), juíza Noemia Porto, além dos pesquisadores que realizaram o estudo e de conselheiros do CNJ.

O CNJ também apresentará uma pesquisa no evento, sobre o uso de redes sociais por magistrados brasileiros, às 9h30. A diretora-executiva do Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ), Gabriela Moreira de Azevedo Soares, será responsável pela apresentação. Cerca de 3,5 mil magistrados – ou 20% da magistratura ativa – responderam às perguntas encaminhadas pelo DPJ em maio deste ano. O estudo é resultado das discussões iniciadas no Seminário Nacional “Os Juízes e as Mídias Sociais”, em abril deste ano. Em seguida, o CNJ criou grupo de trabalho para avaliar parâmetros para o uso adequado das redes sociais.

Agência CNJ

Deixe uma resposta