Bolsonaro suspende entrevista, mas pede desculpas ao Supremo por publicação em sua rede social - Blog Edison Silva

Bolsonaro suspende entrevista, mas pede desculpas ao Supremo por publicação em sua rede social

 

“Leão” no vídeo publicado em seu Twitter, Bolsonaro não encarou uma pergunta dos repórteres em entrevista. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro abandonou uma entrevista coletiva ao ser questionado sobre as críticas do decano do Supremo Tribunal Federal, ministro Celso de Mello. O episódio diz respeito a um vídeo, replicado por Bolsonaro em suas redes sociais, nas quais o STF é apontado como um entre vários inimigos do presidente.

Segundo o UOL, ao sair do hotel em que está hospedado na Arábia Saudita nesta terça-feira (29/10), o presidente brasileiro conversou com repórteres sobre as expectativas da visita oficial. Quando questionado a respeito das críticas do ministro, no entanto, interrompeu a entrevista e foi embora.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, no entanto, o presidente admitiu que a publicação do vídeo foi um “erro”, e pediu desculpas. “Me desculpo publicamente ao STF, a quem por ventura ficou ofendido. Foi uma injustiça, sim, corrigimos e vamos publicar uma matéria que leva para esse lado das desculpas. Erramos e haverá retratação”, disse o presidente durante viagem à Arábia Saudita.

Filme infantil
No Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) apontou nesta segunda-feira (28/10) o Supremo Tribunal Federal como um de seus inimigos. A manifestação veio por meio de divulgação de um vídeo no qual um grupo de hienas ataca um leão.

O felino é identificado como “presidente Bolsonaro”, e as hienas vão sendo identificadas como várias entidades, instituições e organizações  da sociedade brasileira. Entre os inimigos do presidente estão o partido dele, o PSL, e o STF.

A postagem foi removida do perfil do presidente por volta das 18h do mesmo dia.

Expressão odiosa
Procurado pelo jornal Folha de S.Paulo, Celso de Mello afirmou que o episódio mostra que o “atrevimento presidencial parece não encontrar limites”.

Para o ministro, comparar o STF à uma hiena é uma atitude absurda e grosseira por “falsamente identificar a Suprema Corte como um de seus opositores”. “Além de caracterizar absoluta falta de “gravitas” e de apropriada estatura presidencial, também constitui a expressão odiosa (e profundamente lamentável) de quem desconhece o dogma da separação de poderes.”

Do site Conjur

Deixe uma resposta